Doenças e Tratamentos Valéria Carneiro

Síndrome de Kawasaki – O que é, Causas e Tratamentos

Síndrome de Kawasaki – O que é, Causas e Tratamentos que não podemos ignorar. Além disso, a Síndrome de Kawasaki é uma doença rara que resulta da inflamação repentina das paredes das artérias do corpo, causando erupção cutânea, Febre , inflamação dos linfonodos e, algumas vezes, inflamação cardíaca e articular. A Síndrome de Kawasaki não é contagiosa e afeta principalmente crianças com menos de 5 anos, especialmente os meninos. Suas causas podem ser problemas no sistema imunitário, que faz com que as células do próprio corpo ataquem os vasos sanguíneos e provoquem inflamação ; infecções provocadas por vírus ou factores genéticos.

Síndrome de KawasakiCausas da Síndrome de Kawasaki: Ninguém sabe o que causa a Síndrome de Kawasaki, no entanto a doença não é contagiosa nem hereditária. Uma série de teorias ligam a doença a bactérias, vírus ou outros fatores ambientais, como poluentes no meio ambiente, tais como químicos ou toxinas ou uma reação a certos medicamentos, mas é pensado ser causada por um agente infeccioso (algo que causa uma infecção), no entanto nenhuma foi comprovada.

Certos genes podem aumentar a susceptibilidade da criança à Síndrome de Kawasaki, também se pensa que seja uma doença auto-imune, que ataca os seus próprios tecidos e órgãos do sistema imunológico. Esta doença não é contagiosa e afeta principalmente crianças com menos de 5 anos, especialmente os meninos. Suas causas podem ser problemas no sistema imunitário, que faz com que as células do próprio corpo ataquem os vasos sanguíneos e provoquem inflamaçãoinfecções provocadas por vírus ou factores genéticos. Então, confira Síndrome de Kawasaki – O que é, Causas e Tratamentos.

Sintomas de Síndrome de Kawasaki: Os sintomas da Síndrome de Kawasaki se dividem em fases:

Primeira Fase  da Síndrome de Kawasaki:

  • Febre maior do que 39 graus e que dure mais de cinco dias
  • Olhos vermelhos sem uma secreção espessa
  • Erupção na pele
  • Lábios vermelhos, secos e rachados e língua vermelha e inchada
  • Pele inchada e vermelha na palma das mãos e na sola dos pés
  • Gânglios linfáticos inchados no pescoço e em outros lugares
  • Irritabilidade.

Segunda Fase da Síndrome de Kawasaki: 

Terceira da Fase  Síndrome de Kawasaki: Na terceira fase os sintomas vão embora aos poucos, a não ser que se desenvolva alguma complicação. Podem levar oito semanas para que os sintomas acabem.

Fatores de Risco da Síndrome de Kawasaki: São conhecidos três características que fazem aumentar o risco da sua criança desenvolver a Síndrome de Kawasaki, incluindo:

  • Idade. Crianças com idades entre os 2 e 5 anos de idade correm maior risco de Síndrome de Kawasaki
  • Sexo. É mais comum os rapazes serem mais propensos do que as meninas a desenvolver a Síndrome de Kawasaki
  • Etnia. As pessoas que vivem na Ásia, ou de origem asiática, como o japonês ou chinês, têm maiores taxas de Síndrome de Kawasaki
  • Estação do ano. É mais comum ser no inverno e nas primeiras semanas da primavera.

Tratamento Para Síndrome de Kawasaki: A Síndrome de Kawasaki tem cura e o seu tratamento consiste no uso de remédios para diminuir a inflamação e prevenir o agravamento dos sintomas. O tratamento consiste na administração durante cerca de 5 dias de doses altas de imunoglobulina, uma proteína que faz parte do sistema imunitário, e de aspirina para reduzir a Febre e inflamação dos vasos sanguíneos, principalmente das artérias do coração.

Causas da Síndrome de KawasakiApós desaparecer a Febre , pode-se continuar a administrar pequenas doses de aspirina na criança durante alguns meses para reduzir o risco de lesão nas artérias do coração e formação de coágulos de sangue. Para evitar a Síndrome de Kawasakipor uso prolongado de aspirina, pode ser usado dipiridamol.

O tratamento deve ser feito no hospital, até que os sintomas da Síndrome de Kawasaki estejam controlados e não haja riscos para a saúde da criança.  A complicação mais grave da Síndrome de Kawasaki são os problemas no coração, como problemas nas válvulas cardíacas, miocardite, arritmias ou pericardite. Podem surgir também aneurismas nas artérias coronárias do coração que podem provocar a obstrução da artéria, causando infarto e morte súbita.

Sobre o autor | Website

Drª. Valeria Carneiro Graduada na Universidade Federal de Minas Gerais em Medicina Especializada em Ginecologia e Obstetrícia, Pós Graduada no Departamento de Ginecologia na UNIFESP/ EPM a 2 anos, Experiência Clínica em patologias do trato genital feminino e foco em cirurgias ginecológicas como também especialista em partos normais e cirúrgicos.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.