Doenças e Tratamentos

Síndrome de Down – Causas, Sintomas e tratamentos

Síndrome de Down

Síndrome de Down – Causas, Sintomas e tratamentos que todos devem saber. Além disso, a Síndrome de Down é um conjunto de traços físicos e mentais causados ​​por um problema genético que ocorre antes do nascimento. As crianças com Síndrome de Down tendem a ter certas características, como uma face plana e um pescoço curto. Eles também têm algum grau de deficiência intelectual. Isso varia de pessoa para pessoa. Mas, na maioria dos casos, é leve a moderada.

Síndrome de Down

A Síndrome de Down é uma condição vital. Mas com cuidado e apoio, as crianças que têm Síndrome de Down podem crescer para ter vidas saudáveis, felizes e produtivas.

O que Causa a Síndrome de Down: A Síndrome de Down é causada por um problema com os cromossomos de um bebê. Normalmente, uma pessoa tem 46 cromossomos. Mas a maioria das pessoas com Síndrome de Down possui 47 cromossomos. Em casos raros, outros problemas cromossômicos causam Síndrome de Down. Ter cromossomos extras ou anormais altera a forma como o cérebro e o corpo se desenvolvem.

Os especialistas não conhecem a causa exata, mas algumas coisas aumentam a chance de ter um bebê com Síndrome de Down. Essas coisas são chamadas de fatores de risco. Seu risco de ter um bebê com Síndrome de Down é maior se:

  • Você é mais velho quando engravidou. Muitos médicos acreditam que o risco aumenta para mulheres com idade igual ou superior a 35 anos.
  • Você tem um irmão ou uma irmã que tem Síndrome de Down.
  • Você teve outro bebê com Síndrome de Down.
  • Se você teve um bebê com Síndrome de Down e está planejando outra gravidez, você pode querer falar com seu médico sobre aconselhamento genético.

Sintomas da Síndrome de Down: Embora a probabilidade de levar um bebê com Síndrome de Down pode ser estimada pelo rastreio durante a gravidez, você não experimentará nenhum sintoma de portador de uma criança com Síndrome de Down. Ao nascer, bebês com Síndrome de Down geralmente têm certos sinais característicos, incluindo:

  • Características faciais planas.
  • Cabeça e ouvidos pequenos.
  • Pescoço curto.
  • Língua abaulada.
  • Olhos que se inclinam para cima.
  • Orelhas estranhamente formadas.
  • Fraco tônus ​​muscular.

Uma criança com Síndrome de Down pode nascer a um tamanho normal, mas irá desenvolver-se mais devagar do que uma criança sem a condição.

As pessoas com Síndrome de Down geralmente têm algum grau de deficiência mental, mas muitas vezes é leve a moderada. Os atrasos no desenvolvimento mental e social podem significar que a criança poderia ter:

  • Comportamento impulsivo.
  • Julgamento pobre.
  • Período de atenção curto.
  • Capacidades de aprendizagem lentas.

As complicações médicas geralmente acompanham a Síndrome de Down. Estes podem incluir:

  • Defeitos cardíacos congênitos.
  • Perda de audição.
  • Visão pobre.
  • Cataratas (Olhos nublados).
  • Problemas de quadril, como deslocações.
  • leucemia.
  • Constipação crônica.
  • Apneia do sono (respiração interrompida durante o sono).
  • Demência (problemas de pensamento e memória).
  • Hipotireoidismo (baixa função tireoidiana).
  • Obesidade.
  • Crescimento tardio do dente, causando problemas com a mastigação.
  • Alzheimer, na vida adulta.

As pessoas com Síndrome de Down também são mais propensas a infecção. Eles podem lutar com infecções respiratórias, infecções do trato urinário e infecções da pele.

Tratamento de Síndrome de Down: As limitações de uma criança com Síndrome de Down são um desafio para os pais desde o nascimento. Diversos aspectos contribuem para um desenvolvimento satisfatório da criança portadora da Síndrome de Down, o que muitas vezes compreende a intervenção de diversos profissionais. O médico assistente estará atento aos problemas fisiológicos, especialmente os de ordem cardiológica e respiratória, que podem causar preocupações na tenra idade.

Muitas vezes é necessária a intervenção de um cirurgião cardíaco para fixar problemas congênitos. Geralmente a cirurgia não é complicada e tem grande índice de sucesso. A função tireoidiana será sempre controlada e medicada quando necessário. Devido ao fato de apresentarem redução do tônus dos órgãos envolvidos com a fala, será necessário a intervenção de um profissional de fonoaudiologia, para garantir a qualidade da comunicação e desenvolvimento da linguagem da criança.Sintomas da Síndrome de Down

O fator mais importante para garantir o bom desenvolvimento e convívio social da criança com Síndrome de Down é o bom ambiente familiar. Pais atentos e bem informados, capazes de intervir desde cedo nos processos de aprendizagem, nas práticas vocacionais, servindo-se da colaboração de profissionais especializados quando necessário. O empenho individual dos pais, professores e terapeutas pode produzir resultados positivos surpreendentes.

Ao final das contas, os cuidados com a criança com Síndrome de Down não são radicalmente diferentes daqueles que são prestados às crianças sem a síndrome. É o mesmo carinhoso processo de ajudar a crescer, estimular a independência, acompanhar o aprendizado, cuidar do viver diário com carinho e amor, de forma natural e espontânea, aceitando e respeitando as limitações individuais.

Clique para classificar este post!
[Total: 0 Média: %Média%]

Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

1 comentário

  • […] A medição da dobra nucal é realizada. A técnica de translucência nucal é considerada um marcador de trissomia 21 ou síndrome de Down. […]

Deixe um comentário